Guia de Raças para Thordezilhas

Muitas pessoas me perguntam se determinada raça ou monstro existe no em Thordezilhas. “Posso ter um Fera do Pântano bardo?” ou ainda “Será que as viagens náuticas despertariam o Cthulhu?”.

Meus caros, lobos do mar, este é um cenário sobre exotismo, aventura e descobrimento! Aqui,  se trata de existir. Trata-se de causar espanto, admiração e diversão em sua mesa.

Gostaria de contrariar a lógica do cenário e colocar dragões sobrevoando o Mar Tenebroso? Então faça! Divirta-se! Ninguém vai acreditar mesmo na sua história. Pensarão ser papo de pescador.

Claro que existem informações canônicas. O cenário tem sua história, gênero , lógica e camadas. Contudo, acreditamos que o inesperado sempre deve encontra espaço no mapa da aventura!

Por isso neste segundo baú discorreremos um pouco sobre a melhor maneira de utilizar o  livro “Guia das Raças de Old Dragon” em Thordezilhas. Em um próximo artigo falaremos do “Bestiário de Old Dragon”.

 Guia de Raças Old Dragon

O GROD é um suplemento escrito pelos consagrados Igor Sartorato e Rafael Beltrame que expande as raças do Old Dragon criando opções realmente interessantes.

As raças do Guia para Thordezilhas 

Apesar do Grande Expurgo ter erradicado diversas raças feéricas de Alexandria ainda são muitos os seres “não humanos” que caminham pelo velho continente. Vejamos alguns deles:

 Atlantes

Os atlantes do Guia de Raças não existem no Thordezilhas.

Autokthon

Existem rumores de uma legião de autokthon desativados em Chambara. A maioria dos sábios não acreditam nestes boatos, mas não são poucos os que se lançam em aventuras na tentativa de controlar o exército de aço do Oriente.

 Bugbear e Hobglobin

Em Lusitan, bugbear, hobglobin e trasgos são conhecidos como “Povo do Gorro”, apelidados devido ao uso constante do adereço.  Por muito tempo, eles mantiveram relações pacificas com os humanos.

Até o Grande Expurgo.

Dos gorros,apenas os chifrudos trasgos sobreviveram. A magia os manteve vivos e sua inteligência agora planeja vingança contra os filhos de Mitra.

Cambion e Nefilins.

Seres existentes apenas nos contos de fada criados para maravilhar crianças. Jamais foram vistos nos continentes conhecidos.

Centauros e Minotauros

A proteção mística de Hélade salvou estes feéricos do Grande Expurgo os protegendo da sanha assassina da inquisição. Somente agora, com a Era das Luzes, que eles decidiram abandonar o isolamento e restabelecer contatos comerciais com algumas nações alexandrinas.

Duergar

Apesar de também viverem no subterrâneo, estes parentes dos anões nunca ostentaram boa relação com seus primos. Até que o conflito com os silicianos começou a assumir traços de uma guerra, obrigando anões e duergars a travar uma difícil aliança militar.

 Elfo Negro

Haviam poucos registros dos drows em Alexandria. Somente uma lenda ou outra nos arquivos de Castelha ou Shideron. Para a maioria, os elfos negros não passavam de lendas. Tudo mudou quando um grupo de exploradores anões descobriram túneis arqueológicos com inscrições drows sugerindo que eles existiram – e podem ainda existir – nas profundezas da Terra.

 Fera do Pântano

Raro encontrarmos tais criaturas fora do seu território. Tanto que não são poucos que desacreditam em sua existência. Grave erro! Estes sapos bestiais são reais e sua agressividade faz do pântano um lugar muito perigoso.

Gnoll

O Grande Expurgo extinguiu os gnolls de Alexandria. E não existe qualquer vestígio de sua existência no Velho Mundo.

Gnomos

Os gnomos do Guia das Raças NÃO são os mesmos de Thordezilhas. Aqui, eles são devotos da natureza, vegetarianos, festivos, hedonistas e dotados de tamanho parentesco com os anões que conseguem gerar mestiços saudáveis. Banidos de sua cidade pelo Grande Expurgo, edificaram seu novo lar em Fhaeron, embora mantenham ainda laços comerciais com diversas nações do continente. Futuramente estaremos apresentando o Gnomo do Thordezilhas aqui no Universo Simulado, fique ligado.

Homem-serpente, homem-lagarto e troglodita.

O povo réptil formava um império na época em que Leviatã caminhava sobre a Terra. Quando o Grande Deus Mitra eliminou seu monstruoso inimigo, erradicou também os domínios dos seus servos e as raças reptilianas foram extintas do planeta.

Pelo menos isso é o que os clérigos pregam em suas homilias. Pode não ser verdade.

Muitos navegantes trazem informações sobre Galápagos, uma ilha esquecida no tempo onde modernos homens-lagarto desenvolveram uma pequena civilização, trogloditas primitivos caçam dinossauros e os homens-serpente ainda amargam seu rancor, inoculando veneno contra os filhos de Mitra.

Howkar

O “povo pássaro” existiu mesmo em Alexandria. Chegaram a construir uma grande nação no topo de montanhas ancestrais. Até o Grande Expurgo dizimar estes feéricos alados, erradicar sua cultura e conseguir reduzi-los a criaturas raras e degredadas que vagam pelo mundo roubando e devorando a carniça de suas vítimas.

 Kobolds

Kobolds existem, infelizmente. E são tratados como praga em diversos países alexandrinos. Sendo comum contratarem exterminadores para higienizar regiões contra infestações de kobolds. Notavelmente os pucks são as únicas criaturas que conseguem estabelecer uma boa relação com eles.

 Mantis

A única referência sobre a existência dos mantis surgiu com relatos dos navegadores que exploraram Thuklenda. Falam de duas raças insetóides guerreando na ilha e a descrição de uma delas remete muito a estes seres bizarros.

 Meio-anão

Meio-anões são extremamente raros, tanto que costumam ser considerados sagrados pelos anões. Lusitan é o único local onde encontramos alguns deles. Isso acontece devido a Évora, província onde anões e humanos vivem em harmonia, gerando ocasionalmente estes  descendentes híbridos.

Meio-Dragões

Meio dragões não existem, como poderia? Os dragões estão extintos a séculos! A não ser que tal sentença não esteja correta.

Meio orc, goblin, orc e ogro

Estas criaturas são ameaças constantes em diversas partes de Alexandria e Novo Mundo e, quando aliadas a Themudjin, tornam-se um perigo avassalador.

Muskin

        Os homens-rato habitam os porões dos navios e os esgotos, vivendo dos restos da sociedade. Acusados de transmitir doenças, são constantemente caçados e mortos pelos humanos. Ninguém aprecia esta raça, tanto que em Alexandria “Muskin” é um termo para “ladrão”, “vadio” ou “sórdido”.

 Varcos

Varcos existem em pequenas tribos, sua paranoia os impede de formar grupos maiores. Eles não gostam de halflings e fazem o possível para ficar longe das demais raças.

Voldas

Pacíficos demais para a pirataria os poucos meio-gigantes existentes preferem evitar a aventura, vivendo em lugares frios e mantendo o máximo de distância dos humanos. Ainda carregam na memória o suplício do Grande Expurgo quando inúmeros voldas foram mortos acusados de heresia por cultuarem Ymir, antigo deus dos gigantes.

 

Por Luiz Claudio Gonçalves

Vivendo uma raça de cada vez….

Agradecimentos a David Dornelles e Adrielle Zephirot Gaen pela Inspiração.

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: